Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Mamã e a Xiquita

O blog que olha para a maternidade sem grandes filtros.

A Mamã e a Xiquita

O blog que olha para a maternidade sem grandes filtros.

07
Jun16

Chegou o dia!

A Mamã
imageNo fim de 37 semanas maravilhosas de gravidez, começo a ter comichão em todo o corpo! Mas meninas, comichão a sério! Cheguei ao ponto de pensar que era sarna, fazia feridas de tanto me coçar.Liguei para a minha obstetra (que era um doce), e ela mal me ouviu queixar, mandou-me de urgência ao hospital fazer análises. E lá fui eu!Ao fim de umas quantas horas à espera do resultado, ele chega: Colestase! A minha Xiquita tem de nascer nas próximas horas.Colestase?!? Que raio é isso?  Devem estar a perguntar-se. Pois também eu... Ora aqui fica:"A colestase obstétrica (também chamada de colestase intra-hepática da gravidez) afeta o fígado, órgão que em algumas mulheres é sensível demais aos hormônios da gravidez. O fígado normalmente produz a bile, que vai para o intestino, onde ajuda na digestão. Quando há colestase obstétrica, o fluxo de bile para o intestino é reduzido, e a bile se acumula no sangue."Havia risco de vida para a minha Francisca.Falei com a minha obstetra, que me mandou ir ter com ela às 8h do dia seguinte à clínica, para provocar o parto.Dia 23 de Outubro de 2015, 8h da manha dou entrada na Clínica de Santo António, preparam-me e induzem o parto. Meia hora depois começam as contracções, ainda leves. E uma hora depois, outra notícia menos feliz, a Francisca entrou em sofrimento fetal, vamos ter de ir para uma cesariana de urgência.Não me lembro a hora exacta em que a enfermeira me veio buscar ao quarto. E lá fui eu sozinha,(o pai só entrou depois de darem a anestesia) com medo e rodeada de pessoas desconhecidas. A epidural não doeu nada de mais , mas é estranha, aquela sensação que a anestesia dá. Lembro-me que fiquei o tempo todo ansiosa, pois era agora que ia conhecer a minha Xiquita. Depois de alguns minutos ouvi-a, e procurei-a com o olhar por todo o bloco. A enfermeira mandou-me olhar para o outro lado. E quando olhei lá vinha ela toda vermelhinha, foi o melhor momento da minha vida! Não quero esquecer nunca aqueles primeiros segundos que a vi! Ela ficou encostada na minha cara, assim bem juntinha. Senti que ela sabia que eu era a sua mãe! Foi incrível! Eu não sabia se ria ou chorava de alegria.Parece que na hora em que conhecemos os nossos filhos, algo mágico acontece e encantamo-nos por aquele serzinho, automaticamente.Sem dúvida o melhor dia da minha vida! O dia em que me tornei mãe.Nasceu a Francisca, nasci eu como mãe! ❤️

6 comentários

Comentar post