Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Mamã e a Xiquita

O blog que olha para a maternidade sem grandes filtros.

A Mamã e a Xiquita

O blog que olha para a maternidade sem grandes filtros.

22
Jun17

Vivemos longe de tudo!

A Mamã

20170622_140547.jpg

A maior parte não sabe, mas nós vivemos na margem sul do Tejo.

Numa zona isolada, sem cafés ou mercearias.
Numa zona de vivendas e moradias.
 
Como devem calcular a maior parte das vezes, quando vêem onde vivo, dizem-me: "que sorte, longe da confusão, mas perto de tudo!".
 
Apesar de gostar de aqui viver, acabo por sentir falta de poder sair de casa e ir a pé ao café.
De poder dar a mão à Xiquita e irmos a andar até ao parque ou até de sair de casa para ir ali à mercearia do lado comprar um pacote de farinha.
 
Mas aqui não posso fazer isso. 
Aqui para ir a qualquer lado preciso pegar no carro, não tenho nada a que chegue a pé em menos de 15 minutos.
E convenhamos que andar 15 minutos com a Francisca ao colo, não é agradável, já são 12 quilos de "xixa" boa!
 
Mas por outro lado é verdade, aqui onde moro, não se ouve nada, só os passarinhos, e o vento nas árvores. É bom é relaxante.
Não há vizinhos perto, podemos fazer o barulho que queremos a qualquer hora!
 
E o que gosto mais, é que as poucas pessoas que aqui moram ao pé, acabam por ser todas super prestáveis. 
Parece que vivemos numa aldeia.
 
Numa das caminhadas que fazemos a seguir de jantar, fomos dar com uma vivenda de um senhor que cria patos, galinhas, e porquinhos da Índia.
Além disso, o senhor tem uma neta de 2 anos.
Quando viu a Xiquita a olhar para os piu pius, convidou-nos logo a entrar.
Não estão bem a ver a felicidade da Francisca no meio dos animais e a brincar com a Leonor!
 
É a estas pequenas coisas que dou valor!
Alguém no meio da cidade sem me conhecer de lado nenhum me ia convidar a entrar em casa? 
Claro que não!
 
Mas aqui é assim, e é tão bom!
Adorei ver a Francisca atrás dos patos e das galinhas!
 
Provavelmente se não vivêssemos aqui, duvido que a Francisca alguma vez tivesse oportunidade de lidar com este tipo de animais.
 
Quantas crianças conhecemos que nunca viram uma galinha viva?
 
E além disso fez uma amiguinha a Leonor, que carinhosamente chama a Xiquita de Fakika!
 
O senhor fez-nos saber que todos os dias quando for dar de comer às galinhas nos vai esperar para as duas pequenas brincarem!
 
E a esposa fez questão de ir buscar meia dúzia de ovinhos caseiros, para trazermos para casa!
 
Viemos felizes pela felicidade da Francisca, e de coração cheio pela amabilidade desta gente que por aqui mora!
 
Um muito obrigada aos avós da menina!
E um beijinho da Fakika para a Leonor!