Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Mamã e a Xiquita

O blog que olha para a maternidade sem grandes filtros.

A Mamã e a Xiquita

O blog que olha para a maternidade sem grandes filtros.

01
Jul16

Contradições

A Mamã

20160701_112303.jpg

 

Como já referi num post, desde que a Xiquita nasceu que aprendi muitas coisas novas. 

E hoje vou falar sobre a contradição. Pois é, aprendi que ser mãe é contradizermo-nos a cada momento.

Quando estamos grávidas, a primeira coisa que queremos é que a barriga cresça, mas depois lá para o fim da gravidez, já dizemos: "onde é que esta barriga vai parar?".

Queremos que o bebé nasça rápido para o conhecermos, mas depois acabamos sempre por ter saudades da barriga. 

Até sermos mães  (falo por mim) não somos muito fãs de rotina, mas depois com os filhotes percebemos que o melhor é criarmos uma de modo a facilitarmos a vida.

É querermos que os pequenos durmam, para conseguirmos um tempinho para nós, mas depois se eles dormem demais, andamos ali à volta a ver se está tudo bem e preocupadas porque nunca mais acordam. 

Ficamos desejosas que eles cresçam um bocadinho para não dependerem tanto de nós, mas depois ficamos cheias de saudades de quando eles eram recém nascidos.

Passamos o dia a pedir para o pai voltar rápido para casa para tomar um pouco conta deles, mas depois andamos sempre ali a rondar e não descansamos.

Podemos morrer de medo de agulhas, mas se pudéssemos levávamos nós as vacinas no lugar deles.

Quando eles sofrem só nós apetece desabar em lágrimas, mas mantemo-nos fortes que nem uma rocha. 

 

É dizermos não, quando queremos dizer sim, ou dizer sim, quando queremos dizer não.

Ser mãe é contradição a todo o momento.

Mas é tão bom...

 

Beijinho nosso ❤

01
Jul16

Papel de mãe

A Mamã

20160630_134918.jpg

A partir do momento que descobri que estava grávida, tentei-me preparar de todas as maneiras possíveis para o que aí vinha. Não imaginam eu fiz de tudo!

Eu livros sobre bebés, sobre mães, comportamento, educação... Pesquisei na Internet tudo o que tivesse a ver com a gravidez e desenvolvimento infantil. Ouvi conselhos de amigas que já eram mães. Só queria estar informada.

Mas não imaginava que estava prestes a iniciar o papel mais complicado e importante da minha vida, o de ser mãe.Até ao dia que soube que estava grávida, eu sempre tomei as minhas decisões consoante aquilo que queria e bem me apetecia, dava-me a possibilidade de errar, uma, duas e três vezes sem grandes dramas.

Mas depois da Francisca nascer, descobri que ja nao podia ser assim, tinha de pensar bem as coisas pois a vida não tem ensaios, nem nos deixa repetir as coisas duas vezes, tinha de fazer o melhor que conseguisse com aquilo que tinha, logo à primeira vez.

Nos primeiros tempos foi complicado a Xiquita chorava e eu não sabia se eram cólicas, dores ou fome. Tinha medo de dar banho, de a magoar, de não a perceber e até de a vestir. Enfim, tinha medo de estar a fazer alguma coisa mal.

Era tão bom que a vida nos desse a oportunidade de voltar a fazer as coisas, na tentativa de nos sairmos melhor.Se houvessem ensaios para a vida de mãe provavelmente tinha corrido melhor.

Não acham? Convosco não foi igual?

Mas depois é gratificante, as pessoas perguntarem-nos: "Como conseguiram? Como fizeram?". Logo nós que não tínhamos qualquer experiência de maternidade. E então pensamos, que realmente é verdade, conseguimos.

Os nossos filhos choraram, gritaram, e nós simplesmente fomos lá e resolvemos tudo. E no fim de contas não foi assim tão difícil pois não? Com amor tudo é possível, aprendemos tudo, fazemos tudo, somos capazes de tudo! Não é fabuloso?

Vamos sempre errar, vamos sempre ter remorsos de algo que podíamos ter feito melhor. Mas quando fazemos as coisas de coração e com amor, estamos a dar-nos a nós próprias a oportunidade de sermos e agirmos cada vez melhor.

Feliz ou infelizmente os filhos não vêem com manual de instruções, logo o melhor caminho é o do coração de mãe.

 

Beijinho nosso❤