Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Mamã e a Xiquita

O blog que olha para a maternidade sem grandes filtros.

A Mamã e a Xiquita

O blog que olha para a maternidade sem grandes filtros.

08
Jun16

Cheiro de bebé

A Mamã
imageSinceramente acho que não existe outro cheiro que se compare ao de um bebé acabado de nascer! Qualquer mulher que já é mãe de certeza que concorda comigo. Se pudesse tinha mandado fazer um perfume com o cheiro da minha Xiquita. Não se consegue definir, é doce e suave... É viciante! E pelo que pesquisei é mesmo, ora vejam:"O cheiro de um recém-nascido satisfaz uma mulher do mesma maneira que uma pessoa viciada se satisfaz ao usar drogas. Cientistas da Universidade de Montreal, no Canadá, descobriram que o cheiro de um bebé de poucos dias causa uma comunicação química com a mãe e acciona os mesmos circuitos no cérebro de quando se come alguma coisa que se gosta muito ou se faz sexo. As informações são do Daily Mail.Pesquisadores concluíram que, quando uma mulher segura um bebé no colo - mesmo que não seja filho dela -, acontece uma reacção natural e biológica que está ligada ao instinto maternal. "O olfato emite sinais químicos muito intensos para a comunicação da mãe e do filho", explica o responsável pelo estudo, Dr. Johannes Frasnelli. O especialista esclareceu ainda que os circuitos que são activados no cérebro da mulher quando sentem o cheiro de um bebé são os mesmos do desejo.Os pesquisadores analisaram dois grupos de 15 pessoas - um de mulheres que tinham dado à luz até seis meses antes e outro de mulheres que nunca tinham tido filhos - e analisaram os cérebros quando elas tiveram contacto com bebés.Mesmo que os bebés não fossem seus filhos, a dopamina disparou nas imagens das mulheres que eram mães em comparação com as que não tinham filhos. "A dopamina é o neutransmissor principal no circuito de recompensa. Ela faz-nos desejar certas comidas e também é o responsável pelo vício em tabaco e drogas", explica o especialista."Por isso meninas está explicado o porquê de ser tão bom o cheirinho dos recém-nascidos.Quando a minha pequena Francisca nasceu eu perdia horas com ela ao colo, com o meu nariz colado ao pescoço dela e a tudo o que me pudesse dar aquela sensação de tranquilidade... Sim é mesmo isso: CHEIRO DE TRANQUILIDADE...❤️  
08
Jun16

Ter um recém-nascido em casa

A Mamã
imageTrazer uma recém nascida para casa, não é tarefa fácil! Aprendi isso!Não é só dar de mamar, e dormir.E as cólicas? E os choros que não sabemos desvendar?Se aguentamos? Claro!Eu aguentei. Logo qualquer pessoa também aguenta. Basta pensarmos no quão difícil deve ser para o bebé, muito mais do que para a mãe! Pensem: ele acabou de sair do útero (ambiente envolvente e seguro) e a partir de então, não sabe o que está a acontecer ou o que as nossas mãos vão fazer com seu corpinho indefeso no segundo seguinte. Cada movimento é novidade, o ar para respirar, o leite para sugar e digerir, a temperatura, a falta do líquido quentinho à sua volta, do barulho do útero, do andar da mamã. Ele passou nove meses lá, então a meu ver o mínimo que podemos fazer é dar-lhe mais 9 meses para o bebé se habituar aqui fora! Mas não! No geral não damos! E os pequenos habituam-se antes!!!Traduzindo: não é uma questão de dar colo e a Francisca se habituar. E sim, de ela se acostumar a viver sem tudo que conhecia desde a primeira batida do seu coração! Fiz de tudo para tornar isso mais fácil. Embalei-a, fiz chiado com a boca (ssshhhheee). Embrulhei-a em mantinhas. Coloquei o som do útero no telemovel para ela ouvir. Dormiu comigo. Fiz massagens. Dei muitos banhos morninhos. Dei peito (enquanto pude) E chupeta.Tive dias, quando o pai da Xiquita chegava mais tarde do trabalho, que as minhas costas doíam insuportavelmente, simplesmente pela ausência de alguém para revezar o colo!Mas telefonemas (sem palpites e com muita solidariedade!) satisfazem a falta de compreensão de alguns. Porque podemos ficar (muiiitooo) estranhas, neuróticas, super protectoras, exaustas, e entregues. Mas, salvo excepções, ainda assim, sentimo-nos realizadas!E... no fundo, sabemos que é uma fase, que ela passa, e que principalmente… ela não volta.❤️